História do Asilo

foto-asilo-historia

Asilo São Vicente de Paulo de Curitiba

Em 30 de outubro de 1926, o então presidente de Estado da Província do Paraná (cargo correspondente hoje ao de governador), Caetano Munhoz da Rocha, inaugura o Centro de Mendicância São Vicente de Paulo, conhecido hoje como Asilo São Vicente de Paulo de Curitiba. Com capacidade para acolher até 160 moradoras, a entidade serve como exemplo no cuidado da pessoa idosa.

Quando foi fundado, o Asilo funcionava como Centro de Mendicância, atendendo simultaneamente crianças, jovens, adultos e idosos de ambos os sexos. Em alguns períodos, mais de 400 pessoas residiram no local.

Por quase 80 anos, de 1926 até 2004, as responsáveis pela administração da casa eram as religiosas da Congregação das Irmãs Passionistas. Em 1967, há uma reestruturação na instituição e os homens são encaminhados ao Recanto Tarumã. Dois anos depois, as meninas que viviam na entidade são encaminhadas ao Lar Yvone Pimentel. Em 2004, atendendo às especificações da nova Política de Atendimento ao Idoso, a gestão do Asilo passa para a Fundação Educacional Itaqui, que começa a adotar um novo conceito de atendimento, de acordo com a Política Nacional do Idoso.

Desde de janeiro de 2009 a administração da instituição está sob responsabilidade da Ação Social do Paraná, entidade que atua desde 1944 no Estado. Em sua gestão, a ASP procura também ser protagonista na luta pela consolidação de políticas públicas para a pessoa idosa, participando de conselhos e fóruns de direitos. Nos últimos anos, o Asilo vem realizando projetos de reintegração social com a pessoa idosa, buscando fortalecer sua identidade na sociedade. É seu compromisso com a valorização e respeito ao idoso.

O Asilo São Vicente de Paulo de Curitiba é referência no atendimento à pessoa idosa. No local, as moradoras contam com todos os cuidados diários, assistência médica, psicológica e nutricional, atividades de lazer, oficinas de artesanato, festas e passeios. São atividades e projetos que buscam a valorização, o respeito e a socialização da pessoa idosa.